Orgulho nacional na taça

De viticultores a vinicultores, família fez da empresa a maior produtora de vinhos nobres do país com 1.000 hectares de vinhedos próprios em quatro diferentes terroirs, do Sul ao Nordeste do Brasil, além de ser presença em mais de 30 países e conquistar quase 600 premiações em concursos internacionais



A Miolo fez em 30 anos o que marcas mundiais de vinho levaram séculos para construir. De fornecedora de uvas, a família mudou o rumo da história quando decidiu fazer vinho com marca própria, apostando no Vale dos Vinhedos, que logo se tornaria a única região com Denominação de Origem de Vinhos do Brasil. O trabalho de sol a sol no vinhedo, o pioneirismo de estudar no exterior, a coragem e ousadia de empreender e o sonho que o imigrante Giuseppe Miolo trouxe da Itália em 1897 e que passou de geração em geração, transformaram a marca em sinônimo de qualidade, reconhecida mundialmente como especialista na elaboração de vinhos nobres.


Com uma produção de 10 milhões de garrafas ao ano, a empresa é dona do maior portfólio de vinhos finos brasileiros – hoje são 120 rótulos -, que harmonizam diversidade e qualidade. São vinhos e espumantes para todos os estilos e bolsos. Acessíveis e com uma distribuição que abraça todo território nacional, os produtos podem ser encontrados em delicatessens, casas especializadas, empórios, restaurantes, hotéis e supermercados, além da própria loja virtual e física da marca.

A Miolo é a única vinícola brasileira que cultiva uvas e elabora vinhos em quatro diferentes regiões do país (Miolo - Vale dos Vinhedos - RS, Seival - Campanha Meridional - RS, Terranova - Vale do São Francisco – BA e Almadén - Campanha Central – RS). “Foi preciso conhecer e compreender cada terroir, colocando em prática toda expertise de nossa equipe multidisciplinar. Montamos uma dinâmica de trabalho e uma capacidade de produção que prima pelo detalhe, respeitando cada particularidade. Assim, nos tornamos especialistas em vinhos nobres, vou seja, de guarda (longevos), com teor alcoólico entre 14,1% a 16%, destaca o diretor superintendente Adriano Miolo.

Ao fazer o mundo degustar seus produtos, a vinícola ampliou as fronteiras do vinho brasileiro, tornando-o conhecido e respeitado no mundo todo. Rótulos como o Lote 43, Merlot Terroir, Sesmarias, Testardi e Vinhas Velhas, por exemplo, tornaram-se grandes ícones da vitivinicultura nacional, abrindo as portas do mercado externo e mostrando o que cada região, até mesmo o Nordeste Brasileiro, pode fazer. Atualmente, a Miolo está na mesa de consumidores de 32 países, sendo a vinícola brasileira com maior presença em todos os continentes, tendo lojas próprias até na China. O resultado veio em dose dupla com o reconhecimento do brasileiro que, além de aprovar a qualidade dos rótulos, também passou a defender o produto nacional.

Para se chegar até aqui, muito trabalho e estudo fora