Tapetes: Manjabosco + Punto e Filo apresentam nova coleção de Alessandra Delgado

Atualizado: Fev 9


O evento online falou sobre o design modernista do mundo dos tapetes, repleto de inspiração e muita interação entre os convidados




A Manjabosco Decor, loja de tapetes e decoração de Porto Alegre, promoveu no dia 25 de novembro de 2020 um evento exclusivo para arquitetos e designers para apresentar a sua mais recente parceria com a marca Punto e Filo tapetes.

No evento, foi apresentado a história da Punto e Filo por Dani Hornos muito rica em detalhes onde falou de alguns dos principais fundamentos da marca. E também apresentaram o lançamento da coleção Minus, da arquiteta Alessandra Delgado que agora faz parte do seleto grupo de designers da Punto e Filo.

Algumas considerações fundamentais de Dani Hornos sobre a marca, que me deixaram com muito mais curiosidade em conhecer o mundo dos tapetes:

Processo Manual - feito sobmedida

Tanto a concepção inicial do desenho como a produção do tapete é feito à mão por artesãos, em um processo que mistura tecnologia com um extenso repertório de mais 1000 projetos aliados ao toque do sobmedida - imprescindível para o segmento que mais cresce no mercado, o luxo - que cada arquiteto e designer pode coproduzir junto com os projetos existentes. Veja como é o processo artesanal da confecção dos tapetes da Punto e Filo:


A matéria prima é tão importante quanto o design

O material usado nos tapetes é o nylon. Dentro dos materiais sintéticos o nylon é o material mais nobre, seguido do poliproprileno e do poliester.

O uso do nylon é de suma importância na confecção de tapetes de tecnologia pois é de fácil limpeza, porque o nylon não absorve liquido. Não absorvendo liquido, não ha acumulo de umidade, meio onde se proliferam as bactérias, mofos e etc.

Dani Hornos também conta que o tipo de tapete que a Punto e Filo confecciona não solta pêlos.

"Se consegue retirar a poeira apenas com um aspirador, pois o nylon também ajuda que o pó fique apenas na superficie do tapete" esclarece.


Material totalmente sustentável

Outro ponto que chamou muito atenção no processo de fabricação da Punto e Filo foi a da reutilização dos fios de pesca abandonados no mar, um processo de regeneração do fio chamado Econyl.

O nylon quando descartado volta para o mesmo processo de reutilzação e isso gera uma economia circular, uma importante etapa que será implementada na Punto e Filo com a recompra de tapetes da marca não mais usados pelos clientes para que entrem no processo de regeneração dos fios para criar assim um novo tapete.


Designers premiados no portfólio, entre eles a arquiteta Alessandra Delgado

Alfredo B. de Oliveira, Rodrigo Otake, Zanini de Zanine, entre outros, reunem um catálogo de mais de 1000 projetos exclusivos da Punto e Filo.

Alessandra Delgado, uma das designers da marca, nos apresentou a sua mais nova coleção Minus, contando um pouco das suas referencias modernistas paulista para essa coleção e do seu extenso repertorio da sua formação.

Coleção Minus

Tapete Lina, inspirado no trabalho de Lina Bo Bardi. Em uma unica cor onde o efeito de dois tons esta na disposição dos fios.



Tapete Pauliceia, inspirado no emblemático Copan e seus grafismos curvos que do prédio paulista de Niemeyer. Em cinza prata com os filetes em cor porcelana.



Tapete Oscar, com as suas muitas curvas inspirados no traço feminino e na natureza do Rio de Janeiro que Niemeyer perseguia em suas obras. Nas cores porcelana e gelo.




Tapete Pompéia. Em homenagem ao Sesc Pompéia que remeteu a todo o desenho orgânico que o prédio traz em sua arquitetura. Um dos preferidos da coleção de Alessandra.



Tapete Alvorada. Um trabalho tecnologico feito com apenas uma cor nas suas variaçoes de alturas formando 3 texturas diferentes. Inspirado na arquitetura do Palácio da Alvorada. O meu preferido!



Tapete Marxs com os graficos iconicos do paisagista Burle Marxs. Uma verdaderia obra de arte em 5 tons de azul.


Manjabosco Decor

@manjaboscodecor

Punto e Filo

@puntoefilo

Veja mais: